Arquivo da categoria: Povo

Dia de luta para professores, técnicos federais e vigilantes

20150828_081910A sexta-feira (31) representou na cidade de Manaus um marco da  constante luta dos movimentos para ter sua força de trabalho respeitada e valorizada contra os abusos impostos pelo mercado de trabalho globalizado. Assim os trabalhadores mais do que mostrar suas exigências vão as ruas organizados para lutar por aquilo que é insustentável

A classe dos vigilantes do estado do Amazonas se posicionaram em frente a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do MTE para exigir da Justiça trabalhista que altere a Classificação Brasileira de Ocupações, que trata vigilante e agente de portaria de forma semelhante, o que causa danos a categoria pois os vigilantes estão perdendo empregos para os agentes que recebem menores salários fazendo a mesma função sem portar arma para sua defesa.

20150828_08193320150828_081942Outro ponto que a classe questiona é o fato do governador do Amazonas, José Mello vir substituindo vigilantes por agentes de portaria para fazer a vigilância dos prédios públicos, como escolas, hospitais, secretarias etc.

Não bastasse as perdas, a maioria dos vigilantes são trabalhadores ainda são trabalhadores tercerizados sendo explorados com jornadas de 12 por 36, trabalhando em diversos locais na mesma semana e ainda por cima não tendo seus direitos trabalhistas assegurados. Realidade dura de praticamente todo trabalhador terceirizado, mas que está sendo questionada pela classe.

20150828_090129Outras categorias de trabalhadores que se manifestaram em um ato unificado foram os técnicos federais de educação da UFAM (através do sindicato SINTESAM), professores da UFAM (junto a ADUA) e os servidores federais de educação técnica e científica (SINASEFE). As três categorias estão em greve há mais de três meses em denúncia aos problemas gerenciais e aos cortes da educação federal.

No caso dos professores e servidores da Ufam o ato em frente ao Ministério Público foi para entregar um documento denunciando a reitora da instituição, Marcia Perales, por uma série de abusos administrativos, dentre eles a delação de técnicos em greve a justiça; criação de um caos dentro da universidade ao instaurar dois calendários prejudicando o andamento administrativo da universidade;  não defesa da autonomia universitária; descumprimento do regimento da instituição e dos conselhos.

20150828_090245 20150828_09012920150828_083532 20150828_083042

20150828_082526

Percebe-se que o movimento grevista tanto na UFAM quanto no IFAM vem sofrendo pelos problemas das verbas bilionárias que foram cortadas das instituições o que ocasiona perda de bolsas estudantis, projetos já estabelecidos, diárias, pesquisas entre vários outros fatores. Soma-se isto ao processo de terceirização que desde o fim da década de 90 assola as universidades brasileiras.

Os questionamentos dos professores é a visível má administração da instituição que há décadas passa por sérias questões e que se intensificou na gestão Perales como corrupção (no caso da UNISOL por exemplo), devolução de verbas já liberadas pelo governo federal , novas terceirização (caso da agencia de viagens OCA), má distribuição das vagas de professores dentre as unidades entre outras.

A greve das federais que já chegou em seus 3 meses e que conta com quase 50 universidades em greve. A luta promete continuar com os professores

20150828_082532

Foto: Katia Vallina/Adua

Foto: Katia Vallina/ADUA

Foto: Katia Vallina/Adua

Foto: Katia Vallina/ADUA

O JUMENTO QUE PASSAVA POR SER UM LEÃO DE ESOPO

Aesop by Planudes- La vida del Ysopet con sus fabulas historiadas Esopo fabulas fábulas grego gregas grécia greecePrómitio: [A fábula mostra] Que você, que é pobre e gente comum, não deve imitar o comportamento dos ricos, para não ser alvo de caçoadas nem correr riscos.

Envolto numa pele de leão, um burro fazia todo mundo pensar que era um leão, e assim, punha em fuga os animais irracionais. Mas, logo que soprou uma rajada de vento, a pele se despegou e o burro ficou nu. Aí, então, todos accorreram e surraram com varas e porretes.

Esopo- fábulas completas, tradução direto do grego de Maria Celeste C. Dezotti, Cosac Naify

Certo jumento, revestido de uma pele de leão, era tido por todos como um leão, e punha em fuga tanto os homens como os animais. Todavia o vento soprando com força, arrancou-lhe a pele, e o jumento ficou nu. Então todos o perseguiram e lhe bateram com paus e bengalas

Eis que sendo tu um pobre indivíduo particular, não tentes imitar os ricos, a fim de não te expores às galhofas a aos perigos; por quanto o alheio é inadaptável.

As Fábulas de Esopo, tradução direto do grego por Manuel Avaleza, Thex Editora

 

Quando o ressentimento pessoal afeta o social: A Política Nacional de Participação Social (PNPS) e uma triste parte do Congresso.

Muito pouco foi debatido pela mídia reacionária/ressentida a respeito do veto do Congresso Nacional da Política Nacional de Participação Social (PNPS). A proposta, importante para subversão de uma ideologia pautada na segregação popular das discussões políticas, faz a maioria reacionária do poder tremer em suas bases ao possibilitar um choque de ideias mais aberto a respeito do desenvolvimento de políticas que melhorem a condição de todos igualitariamente.

Como um sistema que almeja a liberdade e igualdade, age reproduzindo o aprisionamento e a segregação? Contradição que sustenta o capitalismo e, portanto, a burguesia delirante, tem no Congresso Nacional seus defensores mais irracionais; afinal, uma conscientização popular de tal contradição acarretaria numa mudança de postura em eleições vindouras. O Decreto 8.243/2014 possibilitaria justamente essa conscientização coletiva que teria, por consequência, uma maior tomada de posição e participação popular diante daquilo que é construído para o país.

Mas afinal, o que seria o famigerado Decreto 8.243 de 23 de Maio de 2014?

Tal Decreto estabelece a Política Nacional de Participação Social (PNPS), cuja proposta estaria pautada no reconhecimento e fortalecimento da participação popular nas discussões e nas produções coletivas, tendo como ponto crucial a inclusão da sociedade civil como protagonista da sua história política.

 Em seu Art. 2º, inciso I…

 “sociedade civil – o cidadão, os coletivos, os movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”

 … e em seu Art. 3º, inciso I!

 “reconhecimento da participação social como direito do cidadão e expressão de sua autonomia”

 Propostas pautadas naquilo que, de fato, deveria ser uma democracia participativa, ou seja, participação popular nas discussões que engendram o aumento da potência coletiva. A presidenta Dilma Vana Rousseff, para tal empreitada, possibilita uma ação conjunta, aproximando todas as esferas sociais, possibilitando espaços, e mobilizando nós, o povo, a fazermos aquilo que nos cabe: confrontar as ideias dos ressentidos políticos que insistem em manter a maioria das pessoas num condição fatalista de existência.

Diversos instrumentos democráticos são oferecidos: conselho de políticas públicas, comissão de políticas públicas, conferência nacional, ouvidoria pública federal, mesa de diálogo, fórum interconselhos, audiência pública, consulta pública, ambiente virtual de participação social. Todos eles tendo uma função apenas, a saber, abrir espaços de discussões.

Os posicionamentos da direita e da extrema-direita, representantes da burguesia perversa/paranóica, como já dito, são de doer o estômago de tanto nos fazer rir. Ignorantes do processo histórico e daquilo que acontece debaixo de suas ventas, não percebem que a prática de uma democracia participativa não é de hoje. Existem, atualmente, no âmbito do governo federal, cerca de 120 conselhos, dos quais um terço apresenta expressiva presença de representantes da sociedade civil. Estão ativas, também, mais de 250 ouvidorias públicas federais cuja função é auxiliar o cidadão em suas relações com o governo. Nos últimos 10 anos, cerca de 7 milhões de pessoas participaram de 87 conferências nacionais, em 40 áreas setoriais.

“As emergentes formas de participação digital, as mobilizações e manifestações da sociedade brasileira expressam a necessidade de ampliação e qualificação dos mecanismos já existentes, bem como a criação de novos processos e formas de participação”, afirma o governo.

Por que quando o assunto é “bolivarianismo” os reaças tremem?

 A palavra do momento na boca dos tristes políticos reacionários é a fantasiosa “ditadura bolivariana” que o governo pretende implantar (pelo menos em seus delírios). Nesse caso, mais uma vez a ignorância que insiste em não cessar aparece na mente de tais personagens. Não percebem, por exemplo, a incompatibilidade de junção numa mesma frase das palavras “ditadura” e “bolivariana”.

CAUSO: Estava eu conversando com um senhor um tanto reacionário…

SENHOR REACIONÁRIO: Pois é, a Dilma quer implementar no país o tal do bolivarianismo?

EU: Mas você sabe o que seria esse tal bolivarianismo?

SENHOR REACIONÁRIO: Não é aquilo que estão implementando na Bolívia?

EU: Você sabe quem foi Simón Bolívar?

SENHOR REACIONÁRIO: Quem? Oi?

Conversa não muito estranha para aqueles que se deparam com uma conversa “a-fiada” com pessoas que são categoricamente contra uma proposta bolivariana. Induzidos pela mídia temorosa pelos desdobramentos de uma participação popular (a Lei da Mídia Democrática está aí para fazer chorar as oligarquias midiáticas), os verborrágicos defensores de Bolsonaro apelam para discursos vazios de significado, tentando impor, sem qualquer conhecimento a respeito do que se trata a questão, uma verdade absoluta. Sabemos, entretanto, que toda verdade absoluta sempre se mostra falsa e estúpida.

Singelas (mas potentes!) expressões que unidas possibilitam um vislumbre de um tempo alegre no porvir: democracia participativa, nacionalismo econômico, igualitarismo e anti-imperialismo cultural. Termos que na confusa cabeça de um “reaça” pode não fazer muito sentido, mas no coração popular que almeja a libertação dos grilhões de um sistema opressor, são remédios para lhes tirar da doença chamada capitalismo.

Clique aqui e conheça o decreto 8.243 que Institui a Política Nacional de Participação Social – PNPS e o Sistema Nacional de Participação Social – SNPS